Análise da exigência física em operadores de caixa (Check Out) em supermercados de Curitiba

RESUMO

Introdução: Está pesquisa foi realizada em supermercado no município de Curitiba, Paraná. Objetivo desta pesquisa foi avaliar a exigência física do trabalho através da monitorização dos batimentos cardíacos, e analisar a relação desta carga com gênero e idade dos trabalhadores. A pesquisa caracteriza-se como descritiva, e foi realizada em um supermercado da cidade de Curitiba – Paraná. Método: A carga de trabalho físico foi obtida através do levantamento da frequência cardíaca média durante a jornada de trabalho, os dados foram obtidos com o uso do equipamento Polar FT1, um sistema de coleta e análise de dados de frequência cardíaca que consiste em um receptor digital de pulso e uma correia elástica transmissora para ser afixada no tórax do trabalhador. Resultados: Conclusão.

Palavras chave: Carga de Trabalho, Frequência Cardíaca.

  1. INTRODUÇÃO

O meio laboral com atividade produtiva e socioeconômica, refere se a atividade e os determinantes. Sendo pertinentes aos aspectos de bem estar, vigilância epidemiológica, vigilância sanitária e segurança (1, 2, 3).

Dois objetos para verificar a situação de trabalho, a exigência do trabalho e modo que o trabalhador responde a exigência (2, 3) seu efeito e a carga de trabalho, produto das exigências com as condições de realização (2, 4), podendo ser leve, moderado ou pesado (1) apresentando se desfavorável para o empregador e para o operário.

Em estudos corroboram planejando, monitorar, controlando as atividades, quantificando pesada carga física, de trabalho junto com a ergonomia (1, 5). Com o objetivo de melhores condições laborais, rendimentos, aproveitamento, qualidade nas operações e na saúde do trabalhador (2, 5).

Definem (6, 5, 2, 7) a ergonomia como ciência do trabalho relacionada com a organização, planejamento, concepção, implantação, logística, RH em seus meios de trabalho ligadas as ciências de engenharia, física, medicina, arquitetura, fisiologia, fisioterapia, psicologia e outras compreendendo o trabalho, adaptando o meio ambiente do trabalho (8), exigências físicas e psicossociais e ambientais no labor do homem. Necessitando também de plano de ação, controle e avaliação proporcionando agilidade, precisão, qualidade, frequência, duração, e outras. Havendo menos risco a saúde do operador (7).

Os supermercados representam setor terciário, prestação de serviços ao público (9), check out nas mercadorias, de maneira geral estão expostos a diversos riscos na sua integridade física e psicológica (10). Como doenças e transtornos do sistema musculo esqueléticos, gerando movimentos repetitivos, fadiga muscular (11, 12), além de apresentarem transtornos do sono, perda de apetite, dores de cabeça, nervosas e fadiga visual (7).

Com posturas vinculadas ao desempenho. Há dor ou incomodo. Cooperando para o afastamento dos trabalhadores, aumentando os custos médicos, riscos de acidentes, baixa qualidade e menor produção. Prejudicando o operário e a empresa, interferindo assim na qualidade ao atendimento, agilidade, sobrecarga, reclamação dos consumidores (demora ao atendimento). Gerando stress, competições, pressões, entre outras dificuldades (3, 13).

Corroboram (14, 15), em pesquisas afirmando que há alterações nos membros superiores (mãos, ombros, pescoço e vertebras cervicais) (16) no labor, referentes a organização do trabalho, pressão, falta autonomia, falta de apoio, chefia e a pouca multiplicidade de função, ligados no início desses distúrbios correlacionados a fatores biomecânicos e outros.

Define-se modelo organizacional no trabalho como regras e de normas que regulamentam a maneira a impedir ou permitir (17,1) a atividade dos trabalhadores na empresa. Fixando o processo produtivo, mão de obra, tecnologias, instrumentos e matérias primas (18). O posto de trabalho precisa de condições diversas, sistema homem-máquina e ações, o ambiente, a organização do labor. A ergonomia tem como finalidade (18, 7) o modelo de analises de correção, condições de trabalho, projetos, analisando prospectivamente, consequências, riscos (modelo organizacional da empresa). Podendo ser de diversas intensidades e proporções os riscos decorrentes. Assim, transformando o trabalho, mantendo a integridade do operador gerando crescimento econômico, modificação organizacional, seleção e treinamento, mobiliário, e ambiente físico de trabalho modificado (19).

Um tema abrangente em sua definição a carga física de trabalho (20), (21). Segundo o conceito de (22), a carga de trabalho há três componentes interligados: o psíquico, o cognitivo e o físico, o refletindo nos demais a sobrecarga.

No labor a avaliação da exigência física foi o primeiro problema tratado na fisiologia do trabalho sendo um referencial no trabalho mundial, em setores de alta tecnologia com menores esforços físicos (1, 23).

As posturas e biomecânica interferem nos aspectos físicos de trabalho, execução do trabalho, manuseios de cargas. E os afetivos como: emocional, prazer, agressividade, frustação, expectativas, desejos, reconhecimento e relacionamentos estão nos aspectos psíquicos. Jáo cognitivo abrange concentração, atenção, tomada de decisão, execução do trabalho, memorização, analise da situação e outros (24).

Estudos ergonômicos corroboram mensurando índices fisiológicos para determinar o limite da carga física do ser humano, especificando a duração da jornada de trabalho, ciclo, pausas e outras (25).

Os dados científicos sobre a avaliação da carga física de trabalho através (21, 5, 26, 2, 1) exploram a frequência cardíaca, FC (o qual os músculo realiza em determinado espaço de tempo) (26), sendo um indicador dos níveis de carga física de trabalho. A FC está relacionada ao trabalho, e a saúde do trabalhador, excesso de esforço físico (23) na atividade laboral. Sendo primordial saber os níveis fisiológicos para determinar a capacidade física do trabalhador (23).

O dispêndio energético no trabalho pode ser determinada a partir da frequência cardíaca (FCT) ou cardiovascular, carga (CCV). Fatores meteorológicos como temperatura, trabalho estático ou dinâmico, quantidade muscular utilizada (27,1). Segundo (23) o limite da FC no trabalho médio, é de 35 (bpm) para homens e para mulheres 30 (bpm). Atingido o limite a FC média, do operador, quando estiver a 35 bpm sobre a FC média de repouso (FCR) (27).

A carga cardiovascular máxima, não necessitando exceder 40% da frequência cardíaca (5, 28, 1). A fadiga depende do esforço exercido, por sobrecarga física, das condições individuais, da intensidade de trabalho, do estado de saúde, nutrição, atividades físicas (condicionamento físico) praticantes e das horas trabalhadas. Quanto maior a fadiga menor o trabalho, raciocínio, atenção e agilidade. Fazendo o operador, sujeito a erros e acidentes, produtividade em menor escala (29).

A FC média é considerada 151 bpm, excessivamente pesado, 126 a 150 bpm pesado (23), muito leve 75 bpm, de 76 a 100 bpm leve, 101 a 125, médio pesado. Quando a exigência cardiovascular máxima supera 40%, é primordial calcular o tempo de repouso (Tr), realizando a recuperação FC do operário no labor (27).

A carga física de trabalho em cada atividade propõe limites para sua execução no trabalho, o qual necessita determinar o período de trabalho total, a duração, a frequência das pausas individuais, e da capacidade física do trabalhador (23). O tempo de descanso e expresso por minutos por horas trabalhadas (1).

A ergonomia em pesquisas tem contribuído notoriamente para a uma melhor condição de trabalho, acrescentando qualidade de vida, melhor lucratividade da empresa e agilidade nos processos (25).

O estudo tem por objetivo geral analisar o nível de carga física de trabalhadores que ocupam caixa de supermercado (check out) na cidade de Curitiba. Com esta analise espera se contribuir com aspectos que possam ser melhorados ou transformados, aspectos ergonômicos, no âmbito do trabalho para realização das atividades, de forma a prevenir a fadiga a níveis fisiológicos, auxiliar nos aspectos de produtividade, qualidade do serviço prestado, bem estar e satisfação dos trabalhadores.

Objetivos específicos

1) verificar a associação entre IMC e nível de exigência física; 2) verificar a associação entre gêneros e o nível de exigência física; 3) verificar a associação entre idade e nível de exigência física.

  1. MÉTODO

As palavras chaves foram: Carga de trabalho, frequência Cardíaca, exigência física, obesidade. De acordo com os critérios estabelecidos foram selecionados 26 artigos, 6 dissertações, 2 teses, 27 revistas. Tendo como bases de dados: Portal Caps, Scielo, Pubmed, Google acadêmico, bem como livros didáticos com conteúdo relevante no período de 1977 a 2016. Os critérios de inclusão foram trabalhadores de ambos os sexos, de diferentes idades acima de 18 anos, indivíduos saudáveis e trabalhos científicos com o conteúdo relevante.

Dentre os critérios de exclusão foram menores de 18 anos, portadores de deficiências.

As análises dos dados quantitativos de carga de trabalho físico foi mensurada através da frequência cardíaca do trabalhador no horário de trabalho em batimentos por minuto (bpm) nas diversas fases do ciclo de trabalho de cada atividade de produção. No mês outubro na cidade de Curitiba.

Para realização da pesquisa, os participantes serão informados sobre os objetivos da pesquisa a partir do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, seguindo todas as recomendações Conforme a resolução 196/96 versão 2012, do Conselho Nacional de Saúde, este TCC – Trabalho de Conclusão de Curso irá respeitar a autonomia do indivíduo, a beneficência, a não maleficência, a justiça e equidade.

Todos os indivíduos devem assinar e consentir a participar, preencher o termo de consentimento livre e esclarecido.

Região de estudo

A pesquisa caracteriza-se como descritiva, e foi desenvolvida em um supermercado da cidade de Curitiba – Paraná, no mês de outubro de 2016. A empresa foi escolhida por possuir fluxo continuo de produção.

População e amostragem

A avaliação da carga física de trabalho foi realizada por um estudo de caso que considerou uma empresa (supermercado) sendo composta por …. operadores de caixa.

As Coletas de dados foram realizadas com grupo de ….. voluntários do sexo feminino e masculino com idade de………anos média (……………..) anos, operadores de caixa de supermercado (check out). Sendo realizado em horário de trabalho habitual, divididos em turnos que vai de 8 da manhã as ….. e de ……..as …. horas.

Os trabalhadores que participaram tinham uma estrutura média de …. altura, massa corpórea média de ……kg, cujos os dados foram levantados preliminarmente.

Com os esses dados, foi possível determinar a carga física de trabalho, imposta em cada operação e estabelecer limites aceitáveis para desempenho continuo no trabalho, bem como ajustar a carga de trabalho físico e à capacidade dos trabalhadores.

O check out escolhido para o estudo de caso foram …., pois estão presentes em todas as empresas da mesma rede e por serem o principais postos de trabalho envolvidos no processo de atendimento ao consumidor, conforme descritas na tabela 1.

Tabela 1. Descrição técnica do posto de trabalho avaliado, check out seguindo as seguintes atividades (30, 7) no período de trabalho.

Posto de trabalho Descrição

  1. O operador liga a esteira pega o produto na bancada colocando as mercadorias para próximo de si, para realizar a leitura ótica;

  2. Com as mãos pega os produtos, transporta até o leitor, puxa os mesmos, para a leitura do código (pegando peso), quando não é possível fazer a leitura, digita o código com a mão direita;

  3. Leitura óptica, Scania as mercadorias, se o código de barras estiver em condições adequadas (sem amassaduras, humidades ou quebrados) realizando entre 2 a 5 segundos podendo aumentar acima de 10 segundos por manuseamento de carga e realização de força nos membros superiores;

  4. Quando não é possível fazer a leitura, digita o código com a mão direita;

  5. Torce o tronco para (direita para esquerda), sobre a esteira, coloca a mercadoria, transferindo para o empacotamento, movimenta o pedal para ligar esteira, com o pé direito;

  6. Empacotamento, só é efetuado até passar todos os produtos, pegando a embalagem, empacota o produto e armazena o produto na bancada;

  7. Deixa higienizada e organizada, o posto de trabalho;

  8. Valores são informados, o pagamento pode ser feito no cheque, cartão ou dinheiro, entrega o troco. Aciona um sinal luminoso, localizado na máquina, para chamar os fiscais, caso não tenha troco. Entrega a nota fiscal ao consumidor;

  9. Observação se todos os produtos foram registrados, troca se necessitado pelo consumidor, o produto. Aciona um sinal luminoso, localizado na máquina, para chamar os fiscais, caso de troca de produtos.

Determinação da carga física de trabalho

A frequência cardíaca foi mensurada com os trabalhadores sentados após um repouso de cinco minutos utilizando um monitor de frequência cardíaca (marca Polar –, modelo FT1).

O equipamento POLAR FT1, é um monitor, que verifica a carga de trabalho física. Obtida através do levantamento da frequência cardíaca média durante a jornada detrabalho, os dados foram obtidos com o uso do equipamento Polar FT1, um sistema de coleta e análise de dados de frequência cardíaca que consiste em um receptor digital de pulso e uma correia elástica transmissora para ser afixada no tórax do trabalhador. O monitoramento foi realizado início do trabalho, … da manhã, permanecendo até fim da jornada de trabalho, para os valores serem armazenados, durante a jornada de trabalho.

Segundo (31) a carga máxima no trabalho, limite, pode ser calculada, com base na FC de trabalho (FCT) ou pela carga cardiovascular (CCV), não podendo extrapolar 40% da FCT. A CCV conforme à percentagem da FC do trabalho (FCT) em relação à FC máxima aproveitável (FCM), Para determinar a CCV, utiliza-se a seguinte equação:

CCV= x100

em que:

CCV = Carga cardiovascular (%);

FCT = Frequência cardíaca de trabalho;

FCR = Frequência cardíaca de repouso.

FCM = Frequência cardíaca máxima (220 – idade);

Fonte: (23).

A CCV é relacionada com o individual o limite de capacidade cardiovascular de 40%, proposto por (31), visando a resposta a frequência cardíaca limite, no período de 8 horas (23). Entretanto, nos casos que ultrapassar a carga cardiovascular calcula se a FCL da seguinte forma:

FCL = 0,40× (FCM FCR)+ FCR

Fonte: (23).

A carga cardiovascular excedendo 40% (para cima da FCL) é proposto restauração do trabalho. As alterações feitas é definir o período de melhora (repouso) pausa, obtido por meio da seguinte expressão:

TR=

em que:

Tr = Tempo de repouso (min.);

Ht = Tempo de trabalho (min.).

Fonte: (23).

Procedimento estatístico

A amostra de trabalhadores e o número mínimo de repetições utilizadas na pesquisa sendo estabelecido com o cálculo da seguinte forma (1):

Sendo:

n= número de pessoas ou repetições necessárias;

t= valor tabelado, em probabilidade de 5%;

s= desvio- padrão da amostra.

  1. DESENVOLVIMENTO

    1. Características organizacionais da história do setor supermercadista

As tecnologias (30) e serviços modificam setores de trabalho habilidades e destrezas. Os operários, substituídos por máquinas no labor (32)o que gera desemprego, gerando stress, competições entre outras dificuldades (3, 13). Os supermercados inovam a tecnologia, sem observar o modo organizacional (consumidor empresa) (30).

O MTE legaliza o anexo I da NR 17 (Portaria nº8, 30/05/2007), informando aos trabalhadores de caixa de supermercado as condições de trabalho, também relacionadas a dor/desconforto que são vinculadas ao desempenho, que são: movimentos repetitivos, alternância no posto de trabalho, posturas (12) no trabalho (33).

Taylor apresenta durante a industrialização um modelo de trabalho, o qual o homem apresenta-se com deterioramento em sua a saúde (4,2) este não fixou um projeto organizacional (18). Iniciando paradigmas científicos para proporcionar resultados e melhorias nas condições do trabalho humano (18, 4,2).

Claude Bernard, no século XIX relaciona a fisiologia da nutrição e do sistema nervoso, alterando globalmente o trabalho. Parâmetros precisam ser fixados no labor. Surgindo então, carga de trabalho e a consciência, assim, meios de medir a carga de trabalho (18). Sendo tratado, avaliado na fisiologia do trabalho e também trabalhadores que exercem suas funções em setores tecnológicos, com esforços físicos menores (5).

Afirma (20), que pesquisas buscam aprofundar organizacionalmente o labor que apresenta se de forma superficial, havendo ainda uma tendência de ginástica laboral e atividades físicas, diminuindo as sobrecargas físicas dos operadores.

Certifica-se (15), no Brasil pela lei nº 7208 de 13/11/1968, definido como comercio varejista, supermercados, explorados por pessoas físicas ou jurídicas, fazendo parte do setor terciário (9), sistema de auto-serviço, vende e demonstra variedades alimentícias e utilidades domésticas para facilitar aos consumidores, fornecem carrinhos e cestos (9).

O CNAE é uma Classificação Nacional por atividade econômica definida pelo ministério do Trabalho classificado segundo o quadro abaixo o setor supermercadista:

Códigos

Descrição das atividades

52. 1-6

Comércio varejista de mercadorias em geral, compre dominância de produtos alimentícios, com área de venda superior a 5000 metros quadrados-hipermercado.

52.12-4

Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios, com área de venda entre 300 e 5000 metros quadrados-supermercado.

Fonte: (34)

Quadro 1: Classificação Nacional por Atividade Econômica (CNAE).

Relata (35) o modelo organizacional no trabalho, difícil de elaborar e inconstante, havendo diferentes jornadas (36, 37), ciclos de trabalho, diferentes tarefas, que necessitando evitar longos períodos no check out. Buscando trabalho físico ideal, para a tarefa de trabalho. Avaliando a organização do trabalho e concepção física, de registo de caixa. Contudo, apesar das intervenções organizacionais e design físico ideal, realizado check out, registro de mercadorias, registro de dinheiro, venda, permanecendo na frente da loja, gerentes, fiscais e empacotadores (35, 38). Necessita de profissionais competentes para intervir nas questões musculoesqueléticas (35) que são 2 a 3 vezes superiores, nos caixas, do que em outros setores do supermercado (10).

Os layouts do checkouts são inadequados afirma (11, 34) ocorrendo queixa de fadiga geral após a leitura óptica, 66%, no check out, sem modificação previa do scanner. Requerendo grande amplitude de movimentos para apanhar objetos, especialmente nas extremidades de membros superiores (intensificando a tarefa, repetitiva) (35) empurra- lós, abrir a registradora, operar o teclado e, ensaco lar.

No check out, a alta tecnologia, controla o tempo no atendimento, erros operacionais e ritmo, estabelecendo os produtos e operação, causando stress mental, queixas e ou distúrbios relacionados ao labor, ao operador de caixa (3,10). Sendo uma das profissões mais ofensivas (34). Fazendo, lançamentos, verificação do estoque e lucratividade da registradora (36). Visando renda e produção sem observar a organização ergonômica do posto de trabalho, as empresas (39). Havendo treinamentos dos operadores, para a competência agilidade e segurança (40).

Na Suécia, em sexo feminino, operadoras de check out, relatam a segunda maior prevalência de sintomas devido a operações curtas e repetitivas tarefas, 10,2% e a terceira maior prevalência dor em pescoço 8,2% em 2014 (35).

Relata (10), sintomas músculo- esqueléticos associada á: 1) trabalho estático para a sustentação de peso; 2) Falta de alternâncias posturais (em pé e sentada); 3) posturas com rotação e inclinação lateral de tronco; 4) ausência de pausas; 5) grandes amplitudes de movimentos; 6) horário de trabalho, picos de sobrecarga; 7) ausência de alternância de tarefas.

Segundo (41), lesões por esforços repetitivos agudizam devido à falta de restauração dos tecidos, alta exigência física e psíquica. Gomide (42) acrescenta que o tempo de ciclo é pequeno, excessivamente repetitivo, onde 95% dos trabalhadores presumem executar movimentos repetitivos (Battisti 12).

Acrescenta (20) há sobrecargas físicas, em manuseio de produtos entre cinco e dez quilos (arroz, açúcar, feijão), caixas de leite e outros. Principalmente nos horários ”de picos” adquirindo volumes e grandes produtos no supermercado, consumidores.

A fisiopatologia do labor em check out é retratado com o exagerado esforço executado no manuseio de produtos, com pesos. A repetitividade de movimentos no trabalho, posturas inadequadas, nos membros superiores e a falta de regeneração dos tecidos, devido à falta de pausas, na jornada de trabalho contribuindo também, o fator psicossocial, gerando stress, pela supervisão, cobrança de tempo, produção agilidade, com a intimidação de risco de demissão (43).

3.2 Composições corporais e nutrição para saúde

A epidemiologia da população brasileira retrata mudanças demográficas, socioeconômicas culturais e ambientais. As doenças cardiovasculares aumentaram neoplasias, acidente vascular cerebral, hipertensão arterial, infarto, diabete, colesterol alto, entre outras (44).

A gordura apresenta-se no interior das células do tecido adiposo, o que ocorre devido ao excesso de calorias ingeridas na dieta que não são consumidas pelo organismo (45, 46).

Pessoas com excesso de peso apresentam dificuldade de relacionamento, menor qualidade de vida, diminuição na fertilidade, transportes, locomoção, vestuário, labor e diversos preconceitos aumentando o absenteísmo (47, 44, 48,49, 50). Rejeição e vergonha são comuns, desenvolvendo problemas de depressão, distúrbios de comportamento e auto-imagem com a valorização da estética (47).

Multifatorial o excesso de peso relacionados as influências metabólicas, comportamentais, fisiológicas e sociais. Maus hábitos, na alimentação, sedentarismos efatores ambientais (51).

OMS (ANEP 2008) informa que 1,6 bilhões, acima de 15 anos, classificados com sobrepeso e 400 milhões obesas em 2005. Para 2015, 2,3 bilhões de pessoas estarão a acima do peso e mais de 700 milhões obesas (51).

Pesquisas científicas realizadas por Sugeon General (47). apresentando que exercícios realizados com o tempo de 30 minutos de atividade moderada todos os dias na semana são efetivos na perda de peso As consequências a saúde com o sobrepeso e obesidade é recomendado, perder peso e participar de atividades físicas.

O consumo nutricional saudável está diretamente ligado ao peso corporal, na infância, tornando se fundamentais atividades físicas, para a prevenção, diagnóstico, tratamento e acompanhamento dos fatores de riscos, reduzindo precocemente seus fatores (51, 52). Exercícios físicos dirigidos aperfeiçoam o gasto energético, a manutenção das capacidades e habilidades vitais (52). Sofrendo influências diretas, a renda, urbanização, local e acesso, à diversidade de alimentos, características individualizadas, nível educacional, faixa etária e cultura familiar (52).

O gênero, tamanho, crescimento ósseo, gestação e lactação os nutrientes modificam-se. Dependendo das necessidades nutricionais, podendo estar acima ou abaixo da média (53).

A massa corpórea (IMC) e o estado nutricional. O peso é apresentado em quilogramas divididos pela altura em metros quadrados. A Classificação referente a organização mundial da saúde (OMS) estabelece parâmetros, IMC < 18,5 kg/m2 (baixo peso), IMC entre 18,5 e 24,9 kg/m2 (eutrófico), IMC entre 25 e 29,9 kg/m2 (sobrepeso) e IMC ≥ 30 kg/m2 (obesidade) (50,54, 44,55).

Segundo a sociedade brasileira de Cardiologia (SBC) em pesquisas mostram que 70% da população são sedentárias e que 52% dos adultos brasileiros estão acima do peso, sendo 11% obesos, os índices nas regiões nordeste e sudeste, gerando morbidade e mortalidade (44, 54, 56). O sedentarismo é responsável por 54%, o risco de morte, e indicador de internação hospitalar e incapacidade física (44, 56).

Em 1976, foi determinada Lei n. 6.321, Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) pelo Governo Federal, objetivando uma nutrição apropriada com parâmetros, ao trabalhador, melhorando a qualidade de vida, redução de acidentes, aumentando a produtividade e prevenção de doenças laborais (54, 57, 58).

3.3. Carga física

Um tema abrangente para a definição carga física de trabalho (20) exercida pelo homem, até sua interrupção da atividade (21). Segundo o conceito de (22), a carga de trabalho há três componentes interligados: o psíquico, o cognitivo e o físico

As posturas e a biomecânica interferem em aspectos físicos de trabalho, inseridos no labor. Entretanto, fatores sócios emocionais como: prazer, agressividade, frustação, expectativas, desejos, reconhecimento e relacionamentos são relatados como aspectos psíquicos. Jáo cognitivo refere-se à concentração, atenção, tomada de decisão, execução do trabalho, memorização, analise da situação e outros (24).

3.3.1. Trabalho muscular estático

O trabalho prolongado, no labor, gera tensão e força, diminuindo o calibre dos vasos sanguíneos, com diminuição de nutrientes para os músculos. O qual o musculo usa suas reservas, com isto, há um aumento de resíduos gerando dores agudas, fadiga muscular e abandono do trabalho (18).

Na posição ortostática há músculos tensionados, apresentado dores muscular, nas articulações, nos tendões, e outros. Sentando o trabalho estático diminui menor exigência, melhor para o labor. Assim o sedentarismo é representado pelo exagero de permanecia da posição sentada (18).

3.4 Frequência cardíaca

Segundo (31) a frequência cardíaca, é aconselhável método, na avaliação da carga de trabalho. Mudanças da curva de recuperação da FC dependem de vários fatores, como: posição corporal, temperatura ambiente e corporal, tipo de intensidade do exercício físico executado, atividade durante a recuperação, grupos musculares envolvidos, aspectos bioquímicos, grau de condicionamento aeróbico. Ligados a atividade, o organismo e o meio ambiente do labor (31, 18).

3.4.1 Frequência cardíaca durante o trabalho

Classificados como leve, moderados ou pesados (23) ressalta que não deve passar a capacidade de 40% cardiovascular com um turno de 8 horas de trabalho.

Recomenda (59), 35 batimentos por minuto (bpm), acima da frequência cardíaca em repouso, atividade continua para homens, já em mulheres 30 (bpm).

E orientada nas atividades pesadas é a alternânciacom as atividades leves, com pausas, na realização da tarefa, com ciclos e pausas (curtas e frequentes) (60).

3.4.2 Índice de massa corpórea e o nível de exigência física

Pessoas com sobre peso tendem a ter FC de repouso 7,8% acima (61,62, 63, 64).

Estudos em crianças certificam se que a FC em repouso pode estar associada ao peso corporal (65, 66, 67). Informa (64), que a associação da FCR e circunferência corporal, infanto-juvenil, necessitam de maiores pesquisas.

3.5 Sistemas cardiovasculares e o envelhecimento

Existe uma constante contração descontração para chegada de sangue com nutrientes e oxigênio. O sistema cardiovascular aciona o sistema respiratório e o sistema digestivo. Para obtenção de oxigênio e nutrientes e assim realizar seu trabalho e emoção de metabolitos (18).

Aspectos fisiológicos com o envelhecimento cardiovascular apresentam diversos fatores como: diminuição da complacência do ventrículo esquerdo (devido a agregação de fibrose e colágeno), alteração no sistema de condução (marca passo diminuído e infiltração gordurosa) perdendo fibras e redução intrínseca do automatismo sinovial (68).

Existem também reduções histoquímicas e imuno-histoquímicas na fisiologia em seu envelhecimento, aliados as relações autonômicas que reduzem a frequência cardíaca em idosos (68).

3.6 Idades, gêneros e os níveis de exigência física associado à frequência cardíaca

Crianças de 10 a 17 anos tendem a ter FC de repouso menor (61, 62, 63, 64).

A variabilidade da frequência cardíaca (VFC) e mostrada em estudos com o aumento de idade (69, 70), associada a doenças cardiovasculares, a mortalidade entre outras (71, 72).

Nas mulheresas fibras musculares, com seção transversal, são menores do que a do emhomens, aproximadamente 30%, realizando menor força (18).

A carga máxima no trabalho pode ser determinada a partir da frequência cardíaca (FCT) ou cardiovascular, carga (CCV), o limite da FC no trabalho, média é de 35 (bpm) para homens e para mulheres 30 (bpm). Interpretado quando atingido o limite a FC média do operador, 35 bpm sobre a FC média de repouso (FCR) (28). O qual reduz com a idade em ambos os sexos (68).

Acrescenta (73), que VFC também reduz na senescência em homens. O gênero feminino apresentou valores de FCM mais elevados, independentemente de grupo etário. Correlações entre FCM e idade ou gênero, embora significativas, demonstraram magnitude do efeito de pequena relevância estatística (68).

A atividade física é fundamental na redução da mortalidade cardiovascular, sendo cardioprotetor, o qual e necessário em todas as faixas de idade para preservação de saúde (74, 75, 76, 71).

Estudos mostram que sedentários apresentam maiores VFC do que praticantes de atividades físicas (75, 76, 71).

Segundo (77) informa que a FC máxima, e mais alta em indivíduos praticantes de exercícios intensos na infância e adolescência no histórico.

Afirma (78) níveis FC basal depende de fatores para ser determinada como: alterações de equilíbrio autônomo causados pela diminuição do tônus vagal. Fazendo exercícios moderada e forte resulta na bradicardia de repouso, adquirida pela melhora do equilíbrio autonômico (atividade vagal no coração). Seus benefícios na atividade física dependem, atividade realizada, sexo, intensidade e idade. American Heart Association informa que a FC basal deve ser mensurada, após uma noite de sono no raiar do dia, para registro no estado de vigília.

Após o dia a chamada FC de repouso, apresentando valores reduzidos para pessoas mais ativas, as que treinam. Podem ocorrer modificações no ciclo circadiano na Frequência cardíaca de repouso, tendo a baixar após as 18 horas, retornando os valores basais as 24 horas. Valores tendem aumentar ao longo do dia, como uma parábola, a FC. Que passa de FC basal para FC repouso (78).

Relata (78) que o sono, a postura, atividades físicas e alimentação, fatores endógenos e exógenos, tendem a alterar a temperatura corporal e a adrenalina plasmática, alterando a FC e a pressão arterial.

A recuperação da frequência cardíaca (RFC), após esforço, chamada de taxa de declínio da frequência cardíaca existem relatos que esta modifica, após a interrupção de esforço em indivíduos de meia idade e idosos, se comparada aos jovens há um declínio, no teste de esforço (79, 80,81, 73). Estando relacionados a aptidão física aeróbica (82).

Encontrado nas bibliografias, pessoas idosas e de meia-idade informando que a FC possui um atraso se comparado aos jovens no teste de esforço (73) e que estão relatadas a capacidade de aptidão aeróbica, diretamente relacionadas a RFC. Além do que praticantes de atividade física possuem a RFC pós treino, maior do que sedentários.

  1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. Fiedler NC, Alves R T, Guimarães PP, Wanderley F B. Análise da carga física de trabalho dos operadores em marcenarias do sul do Espírito Santo: UFES; 2007.
  1. Vargas LMV, Macedo DCM, Rezende MAR, Frassona CF, Pilatti LAP. Avaliação de carga física de trabalho operadores de construção civil. Ponta Grossa: UTFP; 2011.
  1. Itiro IIda,. Ergonomia projeto e produção. São Paulo: Edgar Blücher; 1990.
  1. Verde RV. Avaliação da frequência cardíaca como indicador biológico na prevenção dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho. Dissertação [Mestrado em Engenharia da Produção] Curso de Pós-graduação em Engenharia de Produção. UFSC Florianópolis; 2003. 92. p.

  1. Fiedler NCF, Venturoli FV. Avaliação da carga física de trabalho exigido em atividades de fabricação de imóveis em DF. Cerne, ano/vol. 8, número 002: Lavras Brasil: UFL; 2002. 117-122.p.
  1. Granjean E. Fitting the task to the man: an ergonomic approach. London: Taylor & Francis; 1982. 379.p.

  1. Batiz E C, Santos A F, Licea OEA. A postura no trabalho dos operadores de checkout de supermercados: uma necessidade constante de análises. Produção, v. 19, n. 1. [S.I] SOCIESC; 2009. 190-201.p.

  1. Alves JUA, Minette LJM, Souza APS. Avaliação do perfil e condições de trabalho de operários na atividade de propagação de Eucalipytusssp. Em viveiros. In: Simpósio Brasileiro sobre ergonomia e segurança do trabalho florestal e agrícola. Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: SIF/ DEF; 2000.135-140.p.

  1. Deluca MAM. Varejo supermercadista da grande Florianópolis: uma análise das cinco forças competitivas de Poder. Dissertação [Mestrado em Economia]. Centro socioeconômico, UFSC, Florianópolis; 2004.

  1. Trelha CS, Carregaro RL, Castro RFD, Citadini JM, Gallo D L L, Silva DW. Análise de posturas e movimentos de operadores de checkouts de supermercado. v. 20, n. 1, Londrina, PR, UEL: Revista Fisioterapia em Movimento; 2007.

  1. Diniz CA, Ferreira JRM. Prevalência de sintomas músculo-esqueléticos de operadores de checkouts em supermercados. n. 93/94, dez.; 1998. [S.I]: Revista Brasileira de Saúde Ocupacional; 1998. 75-91.p.

  1. Battisti HH, Guimarães AC, Simas JPN. Atividade física e qualidade de vida de operadores de caixa de supermercado. [S.I]: Revista Ciência e movimento, v.13; 2005.

  1. Itiro IIda. Ergonomia: projeto de produção – 2° edição ver. Ampl.-São Paulo: Blucher; 2005.
  1. Bammer G. Work related neck and upper limbdis orders – social, organizational, biomechanicaland medical aspects. In: II Congresso Latino Americano e VI Seminário Brasileiro de Ergonomia. Florianópolis. Anais. Florianópolis: ABERGO/FUNDACENTRO; 1993. 23-38.p.
  1. Santos LM Dos. Avaliação da carga de trabalho em operadores de caixa de mercado- estudo de caso. Porto Alegre; 2004.

  1. García JP, Parada RL, Gutiérrez RC. Lesiones músculo-esqueléticas de espalda, coluna vertebral y extremidades y suincidenciaenlamujertrabajadora. Cajeros/as de supermercado. Guía Informativa para el uso de trabajadores/as y delegados/as de prevención. Instituto Canario de Seguridad Laboral: Islas Canarias; 2003.

  1. Montmollin M. A ergonomia. Lisboa: Gráfica Manuel Barbosa & Filhos; 1990.

  1. Másculo FS, Vidal MC. Ergonomia: trabalho adequado e eficiente. Campos ABEPRO. Engenharia de produção. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011.

  1. Vieira SDG. Análise ergonômica do trabalho em uma empresa de fabricação de móveis tubulares: estudo de caso. Dissertação [Mestrado em Engenharia de Produção]. UFSC, Florianópolis; 1997. 149.p.

  1. Soares EB. Cargas de trabalho na rotina de operadores de caixa de supermercado. XXXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. A Gestão dos Processos de V. 63. Produção e as Parcerias Globais para o Desenvolvimento Sustentável dos Sistemas Produtivos Salvador. BA: Brasil; 2013.

  1. Seixas ASFS, Marquesini MM. Determinação do esforço físico de trabalhadores na colheita de caixeta (Tabebuia cassinoides). Scientia Forestalis: n. 59, jun; 2001. 145-151.p.

  1. Wisner A. Por dentro do trabalho – ergonomia: métodos e técnicas. São Paulo: Oboré; 1987.
  1. Apud EA. Temas de ergonomia aplicados al aumento de La productividad de la mano de obra encosechaforestal. In:___. Simpósio Brasileiro sobre Colheita e Transporte Florestal; 1997. 46-60. p.

  1. Abrahão JI. [et al.] Introdução à ergonomia: da prática à teoria. São Paulo: Blucher; 2009.

  1. Alves JU, Souza AP, Minetti LJ, Gomes JM. Avaliação da carga de trabalho físico de trabalhadores que atuam na atividade de propagação de Eucaliptus spp. In: Simpósio Brasileiro Sobre Ergonomia E Segurança Do Trabalho Florestal E Agrícola, v. 1, 2000, Belo Horizonte, MG. Anais do… Belo Horizonte: Ergoflor; 2000. 129 – 134.p.

  1. Lopes ESL, Domingos DMD, Araujo AJA, Fiedler NCF. Avaliação do esforço físico despendido por trabalhadores nas atividades de colheita de erva-mate (Ilexparaguariensis A. St.-Hil.). Floresta,Curitiba, PR, v. 36, n. 1, jan./abr.; 2006.

  1. Fiedler NC. Análise de posturas e esforços despendidos em operações de colheita florestal no litoral norte do Estado da Bahia. [Doutorado em Ciências Florestais]. UFV, MG; 1998.

  1. Fiedler NC, Menezes De NS, Minettil J, Martin SIS. Analise da exigência física no trabalho em fábrica de móveis no distrito federal. DF: UnB; 2002.

  1. Silva KR. Análise de fatores ergonômicos em marcenarias do município de Viçosa, MG. Dissertação [Mestrado em Ciências Florestais]. Viçosa MG: UFV; 1999. 97.p.

  1. Stôpa JS, Dabdab NCD, Melo RLAV. Operadores de caixa de supermercado – analise antropotecnologica do trabalho. Rio de Janeiro: UFRJ; 2009.

  1. Apud E. Guide-lines on ergonomics study in forestry. Genebra: Ilo; 1989.

  1. Rifkin J. O fim dos empregos. São Paulo: Makron Books do Brasil; 1995.
  1. Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria SIT n. 08, de 30 de março de 2007. Aprova o Anexo I da NR-17 – Trabalho dos Operadores de Checkout. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 02 abril 2007. [acesso dia 05 jun. 2016]. Disponível em: http://www.mte.gov/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_17anexo1.pdf

  1. Santos LM. Avaliação da carga de trabalho em operadores de caixa de supermercado – um estudo de caso. Dissertação [Mestrado Profissionalizante em Engenharia]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre; 2004.

  1. Peter PALM. Efficient methods for assessment of physical load at work Licentiate thesis: Uppsala University; 2016.

  1. Junior Da ASM, Rodrigues CLP. Avaliação de estresse e dor nos membros superiores em operadores de caixa de supermercado na cidade de João pessoa: estudo de caso. XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção – Porto Alegre RS: Brasil; 2005.
  1. Melo Jr AS, Rodrigues CLP. Avaliação de estresse e dor nos membros superiores em operadores de caixa de supermercado na cidade de João Pessoa: estudo de caso. Porto Alegre: ENEGEP; 2005.

  1. Kasper JF. P. Produtividade e gerenciamento de operações na empresas supermercadista. Associação Brasileira de Supermercados. São Paulo; 1991.

  1. Peres CC. Ações de fiscalização preventiva de LER/DORT na área do comércio. In: IXCONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA. [CD-ROM]. Salvador: Anais; 1999.

  1. Guimarães CP, Naveiro RM. Revisão dos métodos de análise em trabalho de montagem manual. [S.I]: Revista Produto & Produção, v. 7, mar.; 2004.p. 63-75.

  1. Couto HDE. A diferença na incidência de lesões por esforços repetitivos (LER) em trabalhadores semelhantes – um estudo de caso entre operadores de caixa de supermercados. In: IX Congresso Brasileiro de Ergonomia. Salvador; 1999.

  1. Gomide ABL. Analise da carga física de trabalho para prevenção da fadiga um estudo de caso operador de ckeckouts. [Dissertação]; Bauru UEP; 2010.

  1. Revista proteção. Artigo especial – Super problemas. [CD-ROM]. nº 112 – abril: São Paulo; 2001

  1. Mariath AB, Grillo LP, Silva RO, Schomitz P, Campos IC, Medina JRP et al. Obesidade e fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis entre usuários de unidade de alimentação e nutrição.Universidade do Vale de Itajai, Balneário Camboriú: Cad Saúde Pública; 2007; 23(4). p. 897-905.

  1. Sherwood L. Fisiologia humana: das células e dos sistemas. São Paulo: Cengage Learning; 2011.

  1. Berny L. Fisiologia. Rio de Janeiro: Elsevier. 2009. p. 532.

  1. Plowman SA, Smith DL. Fisiologia do exercício para a saúde, aptidão e desempenho. Rio de Janeiro: Guanabara Koongan; 2009.

  1. Zottis C, Labronici LM. O corpo obeso e a percepção de si. Curitiba. UFPR; 2003.

  1. Site da sociedade Brasileira de Cardiologia [acesso dia 15 jul. de 2016] disponível em: http://www.sbh.org.br/geral/noticias.asp?id=334.

  1. Fernandes ÂC P, Vaz ABV. Perfil do índice de massa corporal de trabalhadores de uma construção civil. Campinas, São Paulo, Universidade Paulista; 2012.

  1. Weigel JA. Efeito de uma Intervenção Interdisciplinar nos fatores de risco às doenças cardiovasculares em crianças e adolescentes com sobrepeso e obesidade. [Dissertação]: Santa Cruz do Sul, UNISC; 2013.

  1. Marciel Da ES, Sonati G J, Modenezed M, Vasconcelo SJS, Vilarta R. Consumo alimentar, estado nutricional e nível de atividade física em comunidade universitária brasileira. Campinas, São Paulo: Universidade de São Paulo; 2012.

  1. Power SK, Edward TH. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e desempenho. – 8. Ed. [S.I]: Bauer, Manole; 2014.

  1. Stolte D, Hennington EA, Bernardes JS. Sentidos da alimentação e da saúde: contribuições para a análise do Programa de Alimentação do Trabalhador. São Leopoldo, RS, Universidade do Vale do Rio dos Sinos: Cad Saúde Pública, 2006;22(9):1915-24.p.

  1. Sarno F, Bandoni DH, Jaime PC. Excesso de peso e hipertensão arterial em trabalhadores de empresas beneficiadas pelo Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). [S.I]: Rev Bras Epidemiol; 2008; 11(3):453-62.p.

  1. Sociedade Brasileira de Cardiologia [acesso em 14 de jul. de 2016]. Disponível em: http://cientifico.cardiol.br/

  1. Veloso IS, Santana VS, Oliveira NF. Programas de alimentação para o trabalhador e seu impacto sobre ganho de peso e sobrepeso. [S.I]: Rev Saúde Pública; 2007; 41(5): 769-76.p.

  1. Santos GR, Cordeiro Ml, Molina NL, Dias VF. Orientações e dicas práticas para trabalhos acadêmicos. Curitiba: Ibpex; 2007.

  1. Grandjean E. Fitting the task to the man. London: Taylor & Francis; 1 988. 363.p.

  1. Laville A. Ergonomia. São Paulo: EDUSP; 1977. 101.p.

  1. Christofaro DG, Fernandes RA, Gerage AM, Alves MJ, Polito MD, Oliveira AR. Validation of the Omron HEM 742 blood pressure monitoring device in adolescents. ArqBrasCardiol; 2009; 92: 10-5.p.

  1. Virdis A, Ghiadoni L, Masi S, Versari D, Daghini E, Giannarelli C, et al. Obesity in the childhood: a link to adult hypertension. Curr Pharm Des; 2009; 15: 1063-71.p.

  1. Ribeiro RC, Lamounier JA, Oliveira RG, Bensenor IM, Lotufo PA. Cardiol Young. Measurements of adiposity and high blood pressure among children and adolescents living in Belo Horizonte. 2009; 19: 436-40.p.

  1. Zanete HR, Ferreira AL, Haddade EG, Gonçalves A, Jesus De LF, Lopes LTP. Características das respostas cardiovasculares agudas ao exercício resistido em diferentes intervalos de recuperação. Vol. 19, Nº 3. Uberlândia, MG, UPAC: Rev Bras Med Esporte, Mai/Jun, 2013.

  1. Raven PB, Fadel PJ, Ogoh S. Arterial baroreflex resetting during exercise: acurrent perspective. Exp Physiol. 2006; 91(1):37-49.p.

  1. Iellamo F. Neural mechanisms of cardiovascular regulation during exercise. Auton Neurosci; 2001; 90(1-2): 66-75.p.

  1. Machado-Rodruiges AM, Coelho, Silva MJ, Mota J, Santos RM, Cumming SP, Malina RM. Physical activity and energy expenditure in adolescent male sport participants and nonparticipants aged 13 to 16 years. J PhysAct Health; 2012;9(5): 626-33.p.

  1. Santos MAA, Souza ACS, Reisf P, Santos TR, Lima SO, Barreto-Filho J. A Envelhecer Altera Relevantemente a Frequência Cardíaca Média?DOI: 10.5935/abc.20130188; 2013.

  1. Zhang J, Effectof age and sex onheart rate variability in healthysubjects. J ManipulativePhysiolTher. 2007; 30(5): 374-9.p.

  1. Kuo TB, Lin T, Yang CC, Li CL, Chen CF, Chou P. Effect of aging on gender differences in neural control of heart rate. Am J Physiol. 1999; 277(6 Pt 2): H2233-9.

  1. Dekker JM, Schouten EG, Klootwijk P, Pool J, Swenne CA, Kromhout D. Heart rate variability from shortelectrocardiographic recordings predicts mortality from all causes in middle-aged and elderly men. The Zutphen Study. Am J Epidemiol. 1997; 145(10): 899-908.p.

  1. Barbosa-Filho J, Benchimol-Barbosa PR, CORDOVIL I. Autonomic modulation of the heart in systemic arterial hypertension. Arq Bras Cardiol. 2002; 78(2):189-95.p.

  1. Trevizani GA, Benchimol-Barbosa PR, Nadal J. Efeitos da Idade e da Aptidão Aeróbica na Recuperação da Frequência Cardíaca em Homens Adultos. Programa de Engenharia Biomédica – COPPE/UFRJ: Rio de Janeiro: Brasil; 2011.

  1. Moore SC, Patel AV, Matthews CE, Berrington De GA, Park Y, Katki HA, et al. Leisure time physical activity of moderate to vigorous intensity and mortality: a large pooled cohort analysis. Plos Med. 2012;9(11):e1001335.

  1. Catai AM, Chacon-Mikahil MP, Martinelli FS, Forti VA, Silva E, Golfetti R, et al. Effects of aerobic exercise training on heart rate variability during wakefulness and sleep and cardiorespiratory responses of young and midd leaged healthy men. Braz J Med Biol Res. 2002; 35(6): 741-52.p.

  1. Silva LP. Efeitos do treinamento resistivo, isolado e após treinamento aeróbio, sobre a variabilidade da frequência cardíaca e a pressão arterial de homens com idades entre 40 e 60 anos [Tese]. Rio de Janeiro: UFRJ; 2009.

  1. Balassiano DH, Araújo De CGS. Frequência Cardíaca Máxima: Influência da Experiência Desportiva na Infância e Adolescência. UGF Rio de Janeiro; 2012.

  1. Lauria De AA, Santos Dos TM, Amorim Dos PRS, Marques FAD, Lima De JRP. Predicação da Frequência cardíaca basal de indivíduos com níveis de atividades físicas altas e baixas. UFV, MG; 2013.

  1. Cole CR, Blackstone EH, Pashkow FJ, Snader CE, Lauer MS. Heart-rate recovery immediately after exercise as a predictor of mortality. N Engl J Med. 1999; 341(18):1351-7.p.

  1. Cole CR, Foody JM, Blackstone EH, Lauer MS. Heart rate recovery after submaxima l exercise testing as a predictor of mortality in a cardiovascularly healthy cohort. Ann Intern Med. 2000; 132(7): 552-5.p.

  1. Darr KC, Bassett DR, Morgan BJ, Thomas DP. Effects of age and training status on heart rate recovery after peak exercise. Am J Physiol. 1988; 254(2 Pt 2): H 340-3.

  1. Carnethon MR, Jacobs DR Jr, Sidney S, Sternfeld B, Gidding SS, ShoushtARI C, et al. A longitudinal study of physical activity and heart rate recovery: CARDIA, 1987-1993. Med Sci Sports Exerc. 2005; 37(4):606-12.p.

  1. Nunes LAR. Manual de monografia: como se faz uma monografia, uma dissertação, uma tese. São Paulo: Companhia Editora Nacional; 2010.

  1. Costa MAF, Costa Da MFB. Projeto de pesquisa: entenda e faça. 2°. Ed.- Petrópolis, RJ: Velozes; 2011.